Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Tem tempo? Tem que ter culpa!

por PSI Frasquilho, em 23.03.15

 

Funcionário 1:  O Serôdio é um tipo muito antiquado. Vejam lá que sai pontualmente às cinco. Arruma a mala, bem fora de moda por sinal, penteia a melena e despede-se:   “então fiquem em boas graças”. Ridiculo!

Funcionário 2: O tipo nunca aceita horas extraordinárias. Não tem mail, nem usa smartphone,  muito menos redes sociais.

Funcionário 3: Então não vêm que é um bicho raro. Diz que não prescinde de ir buscar a mulher ao emprego e ir com ela  tomar o lanche.

Funcionário 1: Outro dia o Sr. Lemos avisou-o que ele tinha de mudar de norte,  ao que ele respondeu que cumpria as suas obrigações mas que defendia o seu tempo privado. Que parvo, não admira que todos lhe passem à frente.

Funcionário 2: O pior é que o gajo não tem consciência, anda para aí satisfeito. Até parece que todos os dias vai a uma sociedade lá no bairro dele. Dizem que é bom a jogar xadrez. Irresponsável!

Funcionário 3: Nós aqui a darmos ao litro, sem tempo para nada, horas sobre horas e o cretino na boa. Sim, eu estou sempre ligado á empresa, atendo todas as chamadas, respondo a um mail qualquer que seja a hora... e ele nada. Há dias disse-me: eu não quero deixar de sentir que tenho tempo.

 

 Quando as pessoas incorporam a inevitabilidade de não terem tempo entra-se em alerta vermelho. Deixaram de se perceber como humanos e de atender ás necessidades humanas, uma delas o lazer. Estamos imersos numa cultura que valoriza o estar atarefado, a hiperprodutividade  a ganãncia. A cenoura está sempre á frente do burro e este corre corre para a mastigar, sem nunca o conseguir. Critica-se e culpabiliza-se os  que se mantêm íntegros e afirmativos na defesa da qualidade do viver.

O tempo pessoal e social são indispensáveis à vida, não podem ser sugados pelo tempo do trabalho.

 

ALERTA! Fatores psicossociais no topo das problemáticas de saúde ocupacional.www.alterstatus.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:28



Na balança entre a tortura e o prazer, as perdas e os ganhos, a morte e a vida, eis uma análise coloquial . Os fatores psicossociais de risco à lupa da psiquiatria. Um SOS e uma partilha. Diga? Posso ajudar?

Mais sobre mim

foto do autor



Pesquisar

Pesquisar no Blog  


Posts mais comentados



Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D