Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Enlouquecendo

por PSI Frasquilho, em 19.01.15

Tive de nascer. Há palavras que jorram. Como a água, não há mãos ou boca que as contenha. Libertam-se pelas palavras ditas, pelos gestos, pela escrita. Fluem e não param. Espalham-se. Podem ser absorvidas, secar ou confluir noutras correntes maiores mas incorporam, sempre, o universo.

Nasci em trabalho, no trabalho medrei e  em trabalhos morrerei. É assim: fruição, tortura e sustento. É mesmo assim o trabalho que amamos e odiamos, que procuramos em desespero e de que, em maior desespero, fugimos. É assim. 

Os trabalhos de loucos são piores. Darei nota de alguns e inevitavelmente irão trazer-me mais histórias, umas mais leves outras pesadas, triste, alegres, repulsivas... Esta é de hoje e com ela saímos.

Enloqueci de repente, passei-me. Não! Foi devagar, foram muitos anos...Não!  foi aos poucos, devagarinho no começo mas no fim foi um repentão, explodi. Ainda me custa, tremo todo, é uma sufocação. Desgraçados...desgraçado eu.

Toda a vida fui certinho, esforço atrás de esforço. Andavam os outros aos pássaros, nas corridas de arco e rolamentos, nas espreitas... bailes e cinemas sei lá o que isso é.  Eu aqui a esfacelar as mãos, a suar e a feder, a torcer o miolo que havia de melhorar. Melhorar o caraças! Foi-se a infância, foi-se a juventude e eu a bulir.

(pois)

Cheguei a chefe, tive 5 a meu cargo. Dava ao litro das 8h ás 22h, todos os dias menos ao Domingo. Era brioso e os outros davam o seu, uma familia. Está a perceber?

(hummm)

E começou a coisa: primeiro levaram um, a fusão vinha aí,  já não dava. Depois o outro e o outro que a fusão já cá estava e não dava. Fiquei eu, e fiquei chefe . Era tudo,  chefe e trabalhador, mas no ordenado tiraram. Comecei a enfernizar. Então é justo? Não era, mas tinha de ser. Foçava mais e mais, às vezes até aos Domingos. Doia-me o peito, não dormia. E eu: estou  nos limites, assim não dá. - E eles: aguenta lá. - Os meses a passarem e eu a ficar hipertenso e a rolar das ideias. Está a perceber?

(sim)

EU A FAZER O TRABALHO DE CINCO, de seis que já não me conto a mim... Oh, Sr. Silva isto acaba mal eu já estou a arder. - E ele: então arrefece, homem!.-  E cada vez mais , orçamentos, medidas, clientes aos berros. - E ele: desenrasca, pá. Isto está mal. - E eu á rasca e ele a partir para o México. Está a perceber?

Eu tinha palpitações, caimbras na barriga, passavam-me nuvens pela moina. Eu branco como a cal. Ele bem tostadinho: Oh homem, só enrascadas! Então eu volto e isto tá pior que antes. SIM, NADA ESTÀ BEM. EU TRABALHO COMO UM BURRO E ELES SÓ A RECLAMAREM.  Está a perceber?

(e?)

Atirei-me ainda mais á obra. Não tinha dias nem noites. Naquele dia eu digo-lhe: Sr Silva, a minha velha faz anos, eu queria apagar as velas com ela. Sabe como é, eu moro longe... Hoje saio às 7h!  - E ele: olha, agora deu-lhe para o romance. Nem penses, há muito aí a fechar. Outro que lhe apague a vela, ela até gostava. Ah ah ah.!-  E eu subiu-me um fogo tal que parecia o inferno a arder. Toldou-se-me a razão e esmaguei-lhe o focinho... o fim do mundo. Acabei com ele e ele acabou mais comigo. Aos 50 quem me quer? E ainda por cima despois duma agressão...

E  a fama? Agora sou maluco. Já me passou pela ideia ir lá acabar com o resto. Tenho cá uma revolta! Sinto que me roubaram... e roubaram. Está a perceber?

 

ALERTA: FACTORES PSICOSSOCIAIS a liderarem os problemas de saúde nos locais de trabalho.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:23



Na balança entre a tortura e o prazer, as perdas e os ganhos, a morte e a vida, eis uma análise coloquial . Os fatores psicossociais de risco à lupa da psiquiatria. Um SOS e uma partilha. Diga? Posso ajudar?

Mais sobre mim

foto do autor



Pesquisar

Pesquisar no Blog  


Posts mais comentados



Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D